DIVERSIDADE: Mulheres do mar

Publicado em: 03/07/2020
Créditos: NOTÍCIA

Da esquerda para a direita: Vandelucia, Edna, Luana Maria, Regina, Maria Isabel, Wanessa e Karen

Algumas histórias de vida e de exemplos profissionais nos dão inspiração para viver. Em tempos de Covid-19, essa necessidade de renovar o fôlego e seguir em frente torna-se ainda mais importante. E se a vida em terra firme já nos traz grandes desafios, imagine como é na navegação, na rotina de bordo de sete mulheres de uma embarcação da NORSUL, atuante no setor da cabotagem.  

Que tal se inspirar nessas mulheres e enfrentar com mais coragem as ondas de incertezas, diante das quais precisamos ter resiliência e determinação para viver e vencer?

Pio Grande

O Pio Grande é um grande navio tipo multi-purpose e capaz de transportar desde pás eólicas até grãos de soja ou minério de ferro em seus compartimentos.  De proporções surpreendentes, parece um verdadeiro “arranha-céu” navegando na horizontal, como um gigante do mar repleto de cargas. 

Dentro desse colosso marinho feito de aço, trabalha uma tripulação dedicada, cujas histórias serviriam para um livro. No Pio Grande, entretanto, esse livro teria um capítulo especial dedicado para histórias que integram charme e beleza com força de vontade e coragem. Confira a entrevista feita através do WhatsApp corporativo na NORSUL com Vandelucia, Edna, Luana Maria, Regina, Maria Isabel, Wanessa e Karen.

Mais que amigas. Uma família no mar.

Vandelucia da Silva Alves é casada, mãe de dois filhos e tem 11 anos de trabalho na NORSUL. Ela é enfermeira e auxiliar de saúde e conta que a vida a bordo não é fácil mas para quem gosta de desafios é “a vida perfeita”.

Já Maria Isabel, Praticante Oficial de Náutica, com seis meses de empresa, complementa: “A vida a bordo é cansativa, mas muito recompensante, estamos em constante aprendizado técnico ou interpessoal, o que é incrível!“.

Para Luana Maria de Oliveira, com sete anos completos de NORSUL, a vida a bordo tem se tornado algo quase familiar pela criação de vínculos: “O fato de passarmos bastante tempo com a mesma tripulação traz naturalmente a criação de vínculos, que fazem uma diferença positiva enorme”. Esse sentimento também é compartilhado por Wanessa Kelly, que é formada em Ciências Náuticas e tem um ano e cinco meses na companhia: “Nós adquirimos uma nova família a bordo. Abdicamos de algo em prol das outras pessoas, todos os dias, para termos a recompensa de que foi feito um bom trabalho”.

A Técnica em Fabricação Mecânica Regina Vidal acrescenta que não é fácil ser uma mulher do mar e que muitas vezes precisa cobrar o respeito pelo simples fato de ser mulher: “Mas a cada dia estamos conquistando mais espaço e respeito entre os colegas de profissão”. E quem complementa essa visão é a bacharel em Ciências Náuticas Karen de Sousa: “A vida a bordo não é fácil, mas é muito gratificante e nos fortalece. Aqui no navio a nossa presença feminina é algo que melhora muito o ambiente a bordo”. 

Para Maria Isabel, com seis meses de companhia, ser uma “mulher do mar” é incrível e desafiador: "É priorizar nossa independência, sem deixar que a insensibilidade tome conta do ser. É zelar pela família, mesmo de longe. É se desafiar a sair da zona de conforto todo dia!“.

Hobbies e interesses

Como hobbies, nossas entrevistadas destacaram a leitura como passatempo precioso e deram indicações de livros como “O Diário de Anne Frank” recomendado por Regina Vidal; “Lições do Titanic sobre Riscos e Crises para Líderes”, citado por Wanessa Kelly, e ainda: ”Mulheres que Correm com os Lobos” indicado por Luana; “Violetas na Janela” referenciado por Vandelucia; “Heróis Anônimos” citado por Karen e finalizando com a recomendação de Maria Isabel com o livro “O Milagre do Amanhã”. 

Outros destaques foram cuidar da saúde através da ginástica e da boa alimentação, a meditação e também o prazer de viajar e conhecer novos lugares.

Mensagens positivas

O otimismo e a positividade diante do que o futuro nos reserva parece também ser uma marca dessas mulheres. “Estamos passando por uma fase difícil, mas é preciso mantermos a cabeça erguida porque tempos melhores virão e com certeza sairemos mais fortes”, diz Maria  Isabel diante do cenário atual da pandemia e suas consequências. Além dela, com tom bastante positivo, Wanessa complementa: “Mantenham a fé. Tenham em mente que tudo que estamos passando é por um propósito maior. Vamos buscar sempre dar o melhor para termos a consciência de que fizemos a nossa parte”.

Para os dias futuros, quem também afirma de forma confiante que dias melhores virão é Luana que manda uma bela mensagem: “Para a minha família, eu digo obrigada por todos os ensinamentos positivos, eles me guiam sempre na vida e principalmente aqui dentro no navio. Eu amo vocês! Aos meus colegas eu agradeço por todos os momentos compartilhados. Vocês são minha segunda família."

OBS.: Na foto, da esquerda para a direita: Vandelucia, Edna, Luana Maria, Regina, Maria Isabel, Wanessa e Karen. No quadro, foto de Ingeborg Lorentzen, filha do Sr. Erling Lorentzen, madrinha da embarcação.